6 medidas para uma loja mais sustentável

Categoria: Matérias do Mês

Autor(a): Camila Rodrigues | Colaborador(es): Jornalismo Top.Co. | Cidade: Campinas/SP | 11/12/2017 - 11:33

Deixe o seu pet shop condizente com as exigências do mercado e com clientes mais conscientes
Ecopet Shop, em Natal-RN, usou madeira reaproveitada e pallets para fazer os móveis da loja. Foto: Divulgação

Ecopet Shop, em Natal-RN, usou madeira reaproveitada e pallets para fazer os móveis da loja. Foto: Divulgação

Muitos clientes estão procurando por estabelecimentos que estejam cada vez mais condizentes com o seu estilo de vida sustentável e que promovam a preservação de recursos naturais em todos os ambientes, inclusive nos serviços prestados aos seus pets. 

Foi pensando nesse nicho de consumidor, que Leonardo Augusto Rego de Souza, da Ecopet Shop, em Natal-RN, montou o seu empreendimento. “As medidas foram implementadas desde a estrutura física até a venda de produtos biodegradáveis. Usamos madeira reaproveitada de pallets para fazer os móveis da loja e do banho e tosa, apresentando para o cliente um ambiente agradável e bonito”, explica sobre a concepção do negócio. “A Ecopet Shop funciona como um vetor de propagação de ideias sustentáveis, na tentativa de influenciar atitudes do cotidiano de seus clientes”, endossa o proprietário. 

Para não ficar defasado e perder clientes, conversamos com consultores e com profissionais que seguem essas medidas todos os dias, para ensinar macetes que vão deixar o seu pet shop muito mais verde, mas sem perder a qualidade. 

1. Incentivar o uso de ecobags

Para conter os gastos desnecessários e cessar a produção de lixo, além de economizar, os empresários podem incentivar seus clientes a levarem suas ecobags, sacolas ecológicas, para transportar os produtos comprados no pet shop. “Os lojistas podem vendê-las ou distribuir como brindes para seus melhores clientes”, sugere Paulo Abade Júnior, da Pet Consultoria, de São Paulo-SP. Ele até indica que os comerciantes realizem campanhas promocionais cujos brindes sejam as sacolas. “O lojista pode realizar promoções como a cada determinado número de banhos o cliente ganha uma sacola personalizada”, ilustra Paulo. Para ele, essa atitude simples pode ajudar a fidelizar os clientes e diminuir o custo e o desperdício no estabelecimento. 

Outra alternativa é o uso de sacos feitos de material biodegradável, como acontece no estabelecimento de Leonardo. “Assim as sacolas irão se degradar bem mais rápido, diferentemente das convencionais”, aponta. 

2. Sem desperdício no banho

Todos os dias, pet shops recebem muitos cães e gatos para tomar banho ou para serem tosados e, consequentemente, usam muita água para efetuar o serviço. Para minimizar os gastos exagerados, Renato Leiva, groomer do Belas Patas, em São Paulo-SP, aconselha os empresários a disponibilizarem em seus estabelecimentos o banho seco, que é feito com produtos especializados para promover a limpeza da pelagem do animal sem o uso de água. O serviço é uma alternativa para cães de pelos curtos, filhotes, idosos ou para aqueles que não estão muito sujos. “Vale ressaltar que esse procedimento não substitui o banho tradicional”, conta Renato, e alerta que todo animal precisa de banho com xampu, condicionador e hidratação de tempos em tempos. Se o estabelecimento não oferecer esse serviço, algumas medidas podem ser incluídas na hora da higienização que vão otimizar o tempo do profissional e diminuir o desperdício. “Raças como Pastor Alemão, Samoieda, Labrador entre outras, além de terem pelos primários e secundários, possuem ‘pelos mortos’, que caem com facilidade. Então, antes do banho, o profissional pode tirar até 50% desse volume, com a escovação do animal”, ensina e conta que com essa atitude o pet shop estará economizando água no banho.

Usar toalhas de alta absorção após o banho também ajudam na economia de energia. “Usa-se por um menor tempo o soprador e secador durante a secagem”, ensina Leonardo, sobre macete usado em seu pet shop. 

3. Otimização de recursos

Mesmo que os funcionários sejam aconselhados a pouparem recursos hídricos durante a execução do serviço de banho ou tosa, o pet shop gasta muito água, isso é inevitável. A boa notícia é que há formas de contornar esse problema. “Utilize um sistema hidráulico que impeça a vazão exagerada de água pela ducha, evitando o desperdício sem comprometer a qualidade do serviço”, aponta Leonardo, que usa esse artifício em seu estabelecimento. 

Segundo Renato, a água pode ser reaproveitada para sanar outras demandas do pet shop, como limpeza dos ambientes externos, descarga nos banheiros, mas salienta que o proprietário deve tomar cuidado com o estado da água antes de reutilizá-la. “Só fique atento para não utilizar água de um animal muito sujo, pois poderá causar mau cheiro ou constrangimento na loja. Hoje, existem tanques específicos para reaproveitamento de água”, salienta e aconselha que seja usada a água do enxague do condicionador, pois toda sujeira já saiu na remoção do xampu.  

Outro ponto que pode ser modificado para adequar o estabelecimento com um viés mais sustentável é o uso de iluminação adequada, como a utilização de lâmpadas de LED, que consomem menos energia do que as incandescentes e fluorescentes. “Essa é uma das atitudes tomadas na Ecopet Shop e que vem dando bons resultados”, fala Leonardo.
 

4. Incentivar atitudes ecológicas 

Que tal incentivar seus consumidores a usar mais bicicletas? De acordo com Paulo, os comerciantes podem estimular ações mais ecológicas de seus clientes. “Por que não fazer um estacionamento para bicicletas em frente à sua loja? Assim você estimula as pessoas a deixarem o carro em casa. Essas ações também podem ser premiadas ou oferecidas como descontos em serviços prestados”, sugere o consultor. “Explore a sua criatividade e seja diferente”, complementa.

 

5. Disponibilizar produtos sustentáveis 

Não colocar à disposição produtos naturais (petiscos sem adição de corantes, por exemplo) e biodegradáveis, são ações que podem deixar o local defasado, já que é um movimento crescente na indústria e uma pedida dos tutores, que estão sempre preocupados com a saúde dos pets. “Hoje existem, sim, clientes que procuram por esses tipos de produtos, e é importante estar de olho nesse público que está disposto a gastar mais para agredir menos o meio ambiente”, ressalta Renato.
 

6. Produtos no banho e tosa

Renato ressalta que produtos que precisam de diluição gastam mais água. “Basta fazer este cálculo, os produtos que são para uso diluído você utiliza de 4 a 10 litros de água para cada litro do produto (de acordo com o fabricante). A cada galão de 5 litros você tem um gasto de 20 a 50 litros de água só para a preparação do produto”, diz. Ainda segundo ele, produtos com ativos de rápido enxágue e secagem facilitam e reduzem o tempo destes. “Esses produtos são considerados super premium por possuirem maiores vantagens. Seu custo é mais alto, porém os benefícios são muitos. O dono do banho e tosa deve se atentar ao custo-benefício de tudo que for utilizar, porque às vezes menos gasto com produtos pode acarretar aumento na água e na luz, além de reduzir agilidade e produtividade do serviço”, alerta.

Última edição (209)

Destaques:


Dormindo de bolso cheio

Esquente as vendas no verão

Quer expandir sua loja?

Caminho da compra

Reduza tributos

Cadernos:
Aves
Aquarismo
PetClínicas


Saiba mais ›

Destaques:


Thelson Rizzo compartilha conselhos

Lhasa Apso: aprenda a tosá-lo

Brasileiro conquista americanos com seu trabalho

Projeto qualifica jovens com deficiência



EnqueteEnquetes anteriores

O que fazer quando o cliente diz: “Só estou dando uma olhadinha”?








Participando da nossa enquente você concorrerá a prêmios

Agradecer de maneira formal e aguardar

Fazer uma nova abordagem, mais simpática

Dar espaço ao cliente e se direcionar a outro consumidor

Da espaço ao cliente, mas ficar disponível para qualquer dúvida dele

PUBLICIDADE