quinta-feira, maio 30, 2024
Negócios

Mas que final de ano, não?

Passeando por uma livraria me deparo com o livro de Gabriel Garcia Marquez, “Amor nos Tempos do Cólera” e, me apropriando da ideia do título, vi surgir em minha mente o tema central para este nosso último texto do ano.

Mas Amor? cólera? Como assim, o Sergio surtou? Enlouqueceu de vez?

Vamos lá́, vamos esclarecer essa mistura de negócios pet e literatura latino-americana antes que a direção da revista me interne no primeiro hospício disponível!

Vamos procurar nos lembrar dos últimos dias do mês de setembro e os primeiros de outubro, o que vêm à mente? O início da maior crise econômica mundial desde o Crack da Bolsa de 1929, o crédito desapareceu, instituições americanas consideradas sólidas representantes do American Way to Make Easy Money se quebraram em mil pedaços e as bolsas de valores do mundo inteiro viram a fuga de capitais no que os economistas passaram a chamar de comportamento de manada (interessante termo, em se tratando de uma revista de animais de estimação…) e a recessão bate às portas do mundo inteiro, e uma palavra muito familiar a todos nós, brasileiros, pareceu ser a nota única no mundo: Crise! (a tal cólera do início do texto).

Com a retenção do crédito, aumento das taxas de juros, quebra de confiança nas instituições financeiras mundiais, pacotes de ajustes e o comportamento receoso do consumidor, como me preparar para continuar sendo forte na economia de serviços onde estou inserido? Como enfrentar esta crise sendo parte integrante de um mercado que crescia a cada ano em uma velocidade espantosa? Como ainda acreditar que a cada ano que passa os animais passam a fazer parte da família e acreditar que apenas esta frase será́ o suficiente para que eu consiga sobreviver a essa tempestade? Como chegar no próximo ano com meu negócio veterinário funcionando e bem?

Se eu tivesse todas as respostas, com certeza, eu estaria dando previsões em horário nobre em todas as emissoras de TV deste país, mas não precisamos vestir esse personagem de oráculo acima do bem e do mal para parar, respirar fundo e ser analista, afinal, é isso que faz parte do meu dia-a-dia: analisar… e acreditem! isso não é tão difícil assim.

MAS O QUE PENSAM OS PROFISSIONAIS DO SETOR?

As incertezas que marcam a economia mundial não abalaram nosso clima de otimismo. Manteremos nosso planejamento inicial para 2009, que prevê̂ investimentos aos moldes e ritmo dos que foram realizados em 2008. Neste momento, não temos preocupações demasiadas com as instabilidades internacionais, pois a empresa conta com um estoque de produtos e de matérias-primas suficientes para que, em um primeiro momento, não tenhamos que fazer nenhum repasse nos custos ao consumidor final, além do que já́ havíamos previsto para esta época do ano. A empresa está confiante de que as instabilidades internacionais se definirão logo em um cenário estável, antes de trazer reflexos danosos ao país e, consequentemente, ao nosso negócio. Para isso, continuaremos nosso plano de investimento, focado no desenvolvimento e lançamento de novos produtos e ações de marketing, com a intenção de duplicar nosso faturamento em 2009. Diante dessa perspectiva otimista, colocaremos no mercado novas linhas, além de ampliar os lançamentos de outras.” Luiz Gustavo Malucelli Bacila, diretor administrativo/financeiro da Organnact

“Acredito que haverá́ uma desaceleração econômica com impactos certos em bens duráveis e, provavelmente, em supérfluos, sendo pouco provável que a crise atinja produtos de primeira necessidade. O segmento pet conta com produtos de primeira necessidade (raçoes) e produtos ‘supérfluos’ (acessórios em geral), portanto, o impacto no nosso setor deverá ser moderado. Em vista disso, estamos reduzindo nossa projeção de crescimento para o próximo ano”.Sergio Zimerman, coordenador geral do Grupo Pet Center Marginal

“Dentro do cenário econômico e mercadológico atual, a tendência para o ano de 2009 é que o mercado de pet shops, que se encontra numa fase de maturidade nas principais capitais brasileiras, sofra uma depuração em função do grande número de lojas por bairro. A diferenciação por competências administrativas e estratégicas será fundamental para a sobrevivência e a boa rentabilidade das lojas. Quanto ao cenário econômico internacional, que se encontra em meio a uma forte turbulência, acreditamos que não haja um reflexo tão intenso na economia brasileira, tendo em vista os fundamentos econômicos estarem consistentes. Esperamos apenas um crescimento natural do mercado, em função de novos consumidores que adquirirão animais de estimação, sem se traduzir em uma demanda aquecida.” Jorge Abreu Filho, diretor do Grupo Patas & Penas, Bicho Bacana e Pet Gávea

COMO DEVO ATUAR DAQUI PRA FRENTE?

Em um cenário onde as previsões de crescimento da economia brasileira se modificaram totalmente caindo de 5% ao ano para 2% a 3%, é necessário rever metas, rever projetos e fazer algo que o mercado pet nacional tem se recusado a fazer por amor e terá́ que fazer pela dor: Planejamento! Mas o mais interessante é que para planejar algo, todo empresário pet deverá conhecer e muito bem a situação presente de seus negócios, ou seja, começam aqui as dicas para um ano de muito trabalho e não apenas de sustos e reclamações. Vamos lá́?

FAÇA UM LEVANTAMENTO GERAL DE TODO SEU NEGÓCIO!

É hora de realmente saber o que é o seu negócio do ponto de vista fisico (controle de estoque, estado de conservação das instalações, estado dos letreiros, segurança), do ponto de vista estratégico (quanto de material promocional você̂ ainda tem, seus anúncios, sua visibilidade, seu calendário de ações), comercial (contas a pagar, a receber, prazos com fornecedores) e pessoal (como está sua equipe, os contratos de trabalho)!

SEJA UM LÍDER PARTICIPATIVO!

É hora de muita franqueza com toda sua equipe. Marque uma reunião com todos e mostre que o cenário é feio sim, mas é com a ajuda de todos que se passa pela tempestade!

Peça ideias, peça ajuda a sua equipe, mostrando assim a relação que você quer que todos tenham com o negócio. Seja claro e franco e jamais esconda estratégias! Faça planos que todos possam compreender e que possam se sentir parte integrante de cada proposta! Você verá como ideias surgem nesses encontros!

CONTROLE SEU ESTOQUE COM OLHOS DE ÁGUIA!

Compre um bom sistema, faça tabelas no Excel, vistorie pessoalmente os estoques, olhe as prateleiras, faça rascunhos em papel se for o caso, mas CONTROLE SEU ESTOQUE! (Preciso explicar mais detalhadamente ou as letras maiúsculas já́ explicam por si só́ a importância desta ação?)

RENEGOCIE PRAZO COM SEUS FORNECEDORES!

Agora é a hora de você̂ saber se aquela distribuidora que vive lhe oferecendo cachaça e churrasco tem algo mais a lhe oferecer! (Me desculpem as que fazem só́ isso como “marketing de relacionamento” … É hora de repensar seus conceitos!). Tenha uma conversa franca com eles e mostre que é melhor um pássaro na mão do que dois voando; caracterize a compra, profissionalize essa relação comercial já́!

CONVERSE COM SEU GERENTE DE BANCO!

Seja franco, seja direto e negocie melhores prazos no cheque especial, peça taxas de juros menores e, se sobrar dinheiro, converse sobre fundos de investimento mais seguros ou mesmo uma conta poupança com rendimentos diferenciados, afinal é hora de fazer valer seu valor e conseguir manter seu crédito!

NAO DESAPAREÇA DO MERCADO!

Não deixe de anunciar, de fazer eventos ou de preparar material promocional. Se o momento é de retração geral, quem você acha que ainda será́ visto no meio da neblina: aquele que se esconde na escuridão ou aquele que ainda sinaliza como um farol?

E, para finalizar, quero deixar um ditado muito antigo, mas que espero que seja considerado como algo muito atual nos dias de hoje… “Prudência e caldo de galinha não fazem mal a ninguém.” E que venha o próximo ano!

Sergio Lobato, palestrante e consultor de Marketing aplicado ao Mercado Pet. www.sergiolobato.com.br