A Importância da Comunicação

Categoria: Empresas

Autor(a): REINALDO PASSADORI | Colaborador(es): Jornalismo Top.Co | Cidade: Campinas | 07/11/2019 - 10:58

Saiba como uma boa ou má́ comunicação pode contribuir ou prejudicar internamente com um negócio

Rawpixel/iStock.com

Rawpixel/iStock.com

A comunicação bem-feita é fundamental no mundo atual. Cada vez mais se tem essa percepção no próprio cidadão comum, o indivíduo que já́ sentiu a necessidade de se comunicar e de se familiarizar às pressas com as novas e velozes ferramentas da informação. É por meio delas que grande parte das conversas se iniciam, seja por meio direto ou pelo agendamento dos assuntos que são debatidos nos círculos sociais. E para o mundo do varejo pet não é diferente.

Dentro de uma empresa, o cuidado deve ser redobrado, pois uma má comunicação pode abrir brecha para entendimentos errados, refletindo em sérios problemas no ambiente de trabalho e até mesmo nos resultados. Assim, é preciso se atentar à comunicação com os colaboradores e com o público externo para fortificar a imagem da empresa, além de manter a qualidade dos serviços/produtos.

Para Reinaldo Passadori, especialista em comunicação verbal, um dos segredos para evitar problemas relacionados ao tema é vencer tabus e entender que quanto melhor for a capacidade de se comunicar adequadamente, melhores serão os resultados para os negócios. Lembrando que vivemos em uma sociedade formada por pessoas que possuem ideias e pensamentos diferentes, consequentemente opiniões e interpretações diversas diante dos mesmos acontecimentos.

Dessa forma, é fundamental tomar a frente do que se fala sobre sua empresa, evitando que conteúdos negativos proliferem interna e externamente. Para Reinaldo são dois os principais problemas enfrentados em relação ao tema. “Um é a fofoca ou opiniões sobre algo que possa ter ocorrido, a decodificação de uma ocorrência qualquer ou maledicência mesmo”, aponta. “Há pessoas que gostam de falar mal de outras ou inventar boatos para se divertir, sem medir as consequências do seu ato”, completa. Outro problema é a inercia da empresa em processos de comunicação, ou seja, a empresa não se preocupa em se antecipar e fornecer informações aos seus colaboradores, acrescenta. “Isso gera uma omissão de dados ou de detalhes que seriam úteis se compartilhados do jeito e no momento certo.

Embora seja quase impossível eliminar por completo esses problemas, eles podem ser atenuados com ações claras, transparentes, sem tentar ocultar informações do público, ressalta Reinaldo. Além disso, é imprescindível para empresa criar bons porta-vozes, capazes de se posicionarem, dentro do limite do sigilo. Se a empresa souber se comunicar de maneira eficiente, ampliará as chances de impedir que informações equivocadas sejam disseminadas, pontua o especialista.

Também é necessário identificar os formadores de opinião internos e externos, isto é, as lideranças informais, pois eles disseminam as informações e possuem credibilidade. Aproximando-os do setor de comunicação é possível trabalhar esse canal a favor da empresa, aponta o especialista.

Segundo Reinaldo, em um mercado no qual a exposição não pode mais ser evitada, o papel das lideranças de uma empresa é aperfeiçoar a comunicação, deixando de ter uma posição passiva, para uma mais agressiva, criando ferramentas de comunicação internas e externas e se capacitando para oferecer as melhores respostas, com credibilidade e rapidez.

DESENVOLVA UMA BOA COMUNICAÇÃO

Para Reinaldo, é importante que entendamos a profundidade que uma boa comunicação requer, percebamos que ela necessita de amor e afeto para ser inteira, completa, integral. “Precisamos perceber e desenvolver nossas capacidades de acordo com as novas ferramentas e ir além, afinal, ninguém quer correr o risco de ficar parado no tempo. Isso significa se envolver com as dimensões da comunicação. Para entender melhor, desenvolvi a Metodologia das 7 Dimensões da Comunicação Verbal”, explica o especialista. Confira abaixo.

1) A primeira é a intrapessoal, que tem a ver com a “ponte” que uma pessoa estabelece consigo mesma e até onde ela é capaz de trabalhar o seu comportamento e transformar a timidez em força para se expressar com confiança e entusiasmo.

2) A segunda dimensão é a interpessoal, que não é exatamente o oposto da primeira, mas engloba o diálogo, a empatia, a importância do feedback, o elo com nosso interlocutor e a força da alteridade (a capacidade de se colocar no lugar do outro).

3) Outra dimensão é a vocal, que lida com o “como” dizer.

4) A quarta dimensão trata da comunicação corporal: até que ponto os nossos gestos, expressões faciais, estilos, aparências e sinais são importantes para as mensagens sem palavras?

5) A dimensão técnica, por sua vez, tem a ver com os recursos para uma comunicação adequada aos ambientes e circunstâncias, isto é, o ambiente ou ferramentas como aplicativos, audiovisuais, etc.

6) Na dimensão intelectual que a produção dessa comunicação assume destaque quando somos capazes de planejar e preparar com propriedade as nossas apresentações.

Reinaldo Passadori - Especialista em Comunicação Verbal e CEO do Instituto Reinaldo Passadori de Comunicação Verbal. Administrador de Empresas com especialização em Recursos Humanos. www.passadori.com.br