segunda-feira, maio 27, 2024
Aves e AquarismoEdição atual

Como atrair e agradar o cliente que procura por produtos de aves?

Foto: insonnia/iStockphoto.com

Entenda o perfil do cliente que tem ave como pet

Existem 39,8 milhões de aves criadas em cativeiro no Brasil, segundo pesquisa do Instituto Pet Brasil, número que supera a presença de felinos (23,9 milhões) e peixes (19,1 milhões). Com tantos animais alados sendo criados e mantidos como animal de estimação, o lojista que vende produtos para aves em seu pet shop precisa estar preparado para atender esse cliente. “O amor para com uma ave pet é o mesmo de quem tem um cachorro ou um gato. São criados como membros da família. Todo universo gira entorno dos seus filhos de penas, buscam acessórios que promovam o bem-estar e o enriquecimento ambiental e demonstram sua paixão com artigos temáticos como camisetas, canecas, chaveiros, adesivos etc.”, aponta Karina Belmonte Malta, proprietária da loja Maria Calopsita, de São Paulo, primeira loja exclusiva de acessórios para Pet Calopsitas e seus donos. Em sua loja, Karina conta que a maioria dos clientes é do sexo feminino, entre 25 e 35 anos, bem como casais que possuem os pets como filhos de duas a cinco Calopsitas, em média. “São pessoas que buscam um atendimento diferenciado e especializado para proporcionar melhor qualidade de vida a seus pets”, enfatiza.

Segundo Kerline Maria da Silva, proprietária da loja Companhia Pássaro Forte, do Rio de Janeiro-RJ, existem dois perfis de clientes que frequetam a loja: “um deles é o criador de aves, que tem o animal para apreciação de canto e até para participar de competições e que, em sua maioria, são homens; e tem o perfil doméstico, daqueles quem têm uma ave como animal de estimação, para interação e companhia, que, nesse caso, a maioria são mulheres e crianças. O cliente que tem aves como pet, é normalmente exigente. Muitas dessas aves se tornam membros da família, seja pela simples afinidade ou até pela qualidade do canto. Já os criadores buscam sempre o que tem mais avançado e de melhor no mercado.”

Karina Belmonte Malta, proprietária da loja Maria Calopsita, de São Paulo-SP – Foto: Arquivo pessoal

Venda superespecializada

Kerline conta que toda a sua equipe trabalha diretamente com a parte de vendas, seja de aves, gaiolas, acessórios ou alimentos, porém, é o seu sócio proprietário, Carlos Eduardo de Almeida Liberalli ou Kaé, como é carinhosamente chamado, o maior conhecedor da área. “Ele tem mais prática no assunto, até por ser um excelente proprietário de aves. Eu também, como Gestora Ambiental, tenho experiência no assunto, pois trabalho nesse ramo há 17 anos só mexendo com aves”, destaca. Na loja também há um responsável técnico, especializado em silvestres, o Dr. Arthur Azevedo.

Já os vendedores da Maria Calopsita são todos qualificados para orientar os clientes. “Todo o treinamento é oferecido pela Maria Calopsita e o estudo e atualização de toda equipe é constante. Os vendedores sabem, por exemplo, qual a correta disposição dos acessórios e layout de gaiola, para possibilitar um Enriquecimento Ambiental das Pet Calopsitas. Também é primordial ter conhecimento sobre anatomia e fisiologia de aves e bastante prática no assunto”, destaca Karina, que além de vendedores conta com um profissional que é engenheiro agrônomo, auxiliar veterinário de animais silvestres e exóticos e especialista em Gestão Estratégica Empresarial, para os atendimentos na loja física e treinamentos. “Contamos ainda com consultoria de uma médica-veterinária que trabalha exclusivamente com aves silvestres, exóticas e domésticas e que possui vasta experiência com Calopsitas”, acrescenta.

Particularidades do setor

O grande diferencial do segmento de aves é conhecer os produtos que são espécie-específicos. Ou seja, diferentemente de cães (que são todos da mesma espécie) cada ave pertence e uma espécie diferente e tem exigências diferentes. “O empresário ainda tem dificuldade de enxergar o potencial do mercado pet de aves, ou pensa que o comércio de produtos para aves se restringe a produtos de criadores de passeriformes por exemplo”, opina Karina.

Kerline Maria da Silva e Carlos Eduardo de Almeida Liberalli:
sócios na loja Companhia Pássaro Forte, do Rio de Janeiro-RJ – Foto: Arquivo pessoal

Já Kerline aponta que ainda há uma certa resistência do dono de ave em ir ao veterinário especializado. “Muitos proprietários tentam acertar diagnósticos e tratamentos e nas aves, como não existe muitos veterinários especializados, é mais difícil um diagnóstico preciso”, revela. Além disso, ela ressalta que, diferentemente de pet shops que vendem produtos para cães e gatos, o serviço que oferecem é muito especializado então a clientela se desloca mais para ter acesso. “Tutores de cães e gatos têm muita facilidade de encontrar uma infinidade de produtos relacionados às espécies, enquanto para as aves são poucos lugares que são de fato referência no assunto. Então, normalmente os proprietários de cães e gatos são clientes bairristas, pela facilidade de encontrar o que precisam perto de casa. Já os donos de aves, quase sempre é preciso se deslocar para encontrar o que precisa. Nós temos clientes que vêm de todo o estado do Rio de Janeiro. Também fazemos envios para todo o Brasil e também no exterior, sendo os Estados Unidos um dos principais importadores da avifauna brasileira”, descreve.

Agrade o tutor de ave

“Trate a ave de estimação da pessoa que entra na sua loja como seu cliente, pois o caminho para conquistar a admiração do proprietário de ave está em tratar seu pet com amor”, comenta Karina. Segundo ela, cada venda precisa ser bem pensada com personalização para agradar os donos de aves. “Nosso atendimento na loja física, por exemplo, leva em média uma hora para cada cliente, tempo em que conversamos com os tutores para entender um pouco mais sobre aquele indivíduo e poder, então, recomendar os produtos que mais o agradaria e o beneficiaria”, revela.

“O cliente proprietário de aves gosta de ter sempre as melhores opções para seu animal de estimação. Assim, ter alimentos, gaiolas, poleiros e aves sempre bem tratadas para venda é fundamental. Variedades de produtos e apresentação são sempre valorizadas pela clientela”, compartilha Kerline.

Dicas de ouro

Para o lojista que tem a intenção de montar uma seção de aves em sua loja, Kerline aconselha: “Caso pretenda vender aves, pense sempre no bem-estar delas. Isso vai influenciar diretamente na qualidade das penas, atividade e rendimento delas, facilitando a venda e minimizando perdas. Além disso, é preciso ter sempre as melhores opções de alimentos à venda, das espécies de aves que irá comercializar”, aponta.

Karina ainda dá as seguintes dicas aos lojistas que ainda não cativaram seu público de penas: “Fuja do tradicional, procure inovar e preze sempre pela qualidade e honestidade. Indique somente produtos seguros, que tragam benefícios reais aos pets e ensine a correta forma de utilizar. Conheça as necessidades do seu cliente e o ofereça produtos que ajudem a solucionar problemas”, lista Karina que, inclusive, vende produtos de fabricação própria. “Isso nos permite garantir qualidade e segurança, além de conhecimento do seu funcionamento para saber vender”, explica. “Acredito que ainda vai levar um tempo para que as aves de estimação conquistem os mesmos direitos e espaços dos pets cães e gatos, mas é só uma questão de tempo até chegarmos lá”, finaliza Karina.


Por: Samia Malas

Clique aqui e adquira já a edição 235 da Revista PetCenter/Groom Brasil e veja todas as reportagens na íntegra!