Síndrome de Burnout: como lidar?

09/10/2019 - 13:22

Entenda os motivos e como evitar essa doença que tem acometido muitos médicos veterinários

Foto: Tatomm/iStock.com

Foto: Tatomm/iStock.com

O esgotamento profissional, conhecido como Síndrome de Burnout, já é parte da Classificação Internacional das Doenças da Organização Mundial de Saúde (OMS) desde maio deste ano. O problema chama atenção de psiquiatras e especialistas em comportamento humano devido às sérias consequências para diversos tipos de profissionais e, em especial, para aqueles que lidam com a saúde, médicos, enfermeiros e muitos médicos veterinários. O problema é descrito pela OMS como “uma síndrome resultante do estresse crônico do trabalho” e que se caracteriza por uma “sensação de esgotamento, cinismo ou sentimentos negativos” relacionados ao trabalho, além da sensação de “eficácia profissional reduzida”. 

 

Há cerca de 2 anos, um estudo de bem-estar veterinário publicado pela MSD (Merck Animal Health Veterinary Wellbeing Study) e pela American Veterinary Medical Association (AVMA), apontou que nos Estados Unidos, um em cada 20 veterinários apresenta grave sofrimento psicológico. O problema é ainda mais intenso entre os mais jovens: os episódios de depressão começam logo após a conclusão do curso e chegaram ao ponto de muitos profissionais apresentarem tendências suicidas. No Brasil, o Sistema de Informação de Mortalidade – SIM – do Datasus (Ministério da Saúde) aponta que o médico veterinário é o profissional com maior risco de suicídio no país, na proporção de dez atos cometidos para um realizado entre o restante da população. Mas quais são os fatores que tornam os veterinários tão vulneráveis?

 

A rotina não é fácil.  É completamente normal para um veterinário passar horas em plantão durante uma residência ou mesmo na rotina de um hospital ou clínica veterinária. Isso inclui o atendimento às emergências, consultas e cirurgias sob pressão por resultados e cobrança de superiores e dos tutores dos animais. Quem não viveu isso? 

Confira esta matéria na íntegra adquirindo a edição 219. Clique aqui!