segunda-feira, maio 27, 2024
Caderno Regional

Região Sul: Destaque na produção de ração e muita concorrência

Foto: microgen/iStockphoto.com

Mercado pet da região exige que empresas foquem em melhorias constantes e diferenciação para se manterem fortes

Com uma área de aproximadamente 576 mil km², o Sul do Brasil é considerado a menor região do país, porém, é a terceira macrorregião mais populosa (ficando atrás do atrás do Sudeste e do Nordeste) segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na economia, o Sul se destaca por apresentar atividades diversificadas, desde a criação de suínos e aves, cultivo de uva, maçãs e milho, até a presença de indústrias automobilísticas, etc. 

No mercado pet a região também tem peso grande na produção de rações para cães e gatos, já que a indústria agropecuária (produção de grãos e outras matérias-primas) é bastante forte. Segundo dados do Instituto Pet Brasil (IPB), a região Sul é responsável por mais de 18% da produção nacional de ração e aproximadamente 17% do faturamento nacional. Além disso, 17,6% da população de animais de estimação do Brasil está nessa região, sendo que o Rio Grande do Sul lidera em número de pet shops, com cerca de 2,4 mil lojas de produtos pet e mais de 250 clínicas especializadas. No Paraná, ainda segundo o IPB, são 2,8 mil lojas e 290 clínicas especializadas e, por fim, Santa Catarina possui 1,4 mil lojas e aproximadamente 180 clínicas. “Temos um grande mercado a explorar, por isso estar em evolução constate é necessário para se manter no setor”, aponta Luis Eduardo Flores, gerente comercial da distribuidora PlantarVet, cuja matriz fica em Canoas-RS, mas a atuação se estende aos estados de SC, PR, SP, MS, MT, GO, TO, AC, RO e AM. “Temos unidades em Passo Fundo-RS, Cascavel-PR, Curitiba-PR, Ribeirão Preto-SP, Campo Grande-MS, Cuiabá-MT e mais nova unidade em Aparecida de Goiânia-GO”, complementa Luis, cuja empresa possui 44 anos de mercado e representa mais de 300 marcas. “A principal tendência do mercado hoje é a saúde e bem-estar animal, alimentação e produtos mais naturais, além da humanização dos pets e expansão do mercado de gatos”, acrescenta.

“É preciso se reinventar ano a ano, na velocidade que o mercado cresce”

Luis Eduardo Flores, da distribuidora PlantarVet

Alessandro Duarte, diretor da distribuidora Agrosul Catarinense, ainda aponta que, nos últimos anos, o número de estabelecimentos voltados para a comercialização e/ou serviços pet aumentou muito na região. “Mais recentemente, chegaram as megalojas e hospitais veterinários de grande porte. Paralelo a isso, também não podemos deixar de citar o comércio eletrônico que ganhou muita força, principalmente com a pandemia. Todo esse movimento fez com que as empresas estabelecidas há mais tempo tivessem que se adequar e continuar a investir em melhoria e diferenciação. Em SC temos lojas abrindo filiais, investindo em estruturação física, elevando o nível de organização e layout dos espaços, aprimorando a gestão, desenvolvendo as equipes com treinamento e capacitação, marketing e ações para o consumidor etc.”, ressalta Alessandro, cuja empresa tem sede em Blumenau-SC e atua em todo estado de SC há 35 anos. “Inicialmente éramos distribuidores de produtos para animais de produção, mas a partir de 1999 ingressamos no setor pet distribuindo a marca Royal Canin. Hoje a distribuidora é 100% focada no setor pet”, explica o diretor, que hoje representa com exclusividade duas multinacionais e quatro indústrias nacionais. “Nosso portfólio é composto por dezenas de linhas e quase 100 marcas de produtos diferentes e importantes do mercado pet”, acrescenta.

Marcelo Kehl, da distribuidora PetsLife, empresa que atua nos estados do PR, SC e RS, diz não encontrar particularidades significativas no segmento pet e vet da região Sul, que destoam do restante do Brasil. “O grande desafio de todo distribuidor hoje é aliar o foco da equipe, chegando a todos os pontos de venda e viabilizando a operação. Existem muitos pontos de vendas espalhados por todo o estado que, muitas vezes, não tem faturamento para viabilizar uma equipe numerosa que atenta a todos os PDVs. O que se faz é conciliar mais de um portfólio na mão de um mesmo representante, para dividir o foco e equilibrar essa equação”, comenta Marcelo, cuja empresa possui sedes em Curitiba-PR, Porto Alegre-RS e São José dos Campos-SC e atua há 15 anos na região Sul, representando 12 marcas no total.

“O grande diferencial para atender com excelência é ser percebido como empresa geradora de valor”

Alessandro Duarte, da Agrosul Catarinense

Desafios do setor

 O desafio maior, segundo Marcelo, é o de encontrar pessoas competentes e retê-las na empresa. “Temos estrutura de capacitação continuada na empresa, o que nos traz um diferencial. Também temos um portfólio que permite remuneração capaz de reter os talentos”, aponta. A informalidade também ainda está presente na região, mas Marcelo ressalta que ela somente existe porque o sistema permite. “Lidamos com isso fazendo o que é certo, ou seja, entendendo que há uma curva de maturidade do mercado onde nosso comportamento é de absoluta maturidade, 100% fiscal e o mercado vai se adaptando a isso. Fazemos como tem que ser feito, observando os custos de tornar a operação sempre rentável, melhorando performance da equipe de vendas e gestão de custo”, acrescenta. 

Para Alessandro, o desafio desse mercado, composto por muitos competidores, “é o de manter o nível de concorrência saudável sem destruição de margens, combater a informalidade e que prevaleça, sobretudo, a qualidade em produtos e serviços.” Assim, Alessandro comenta que “o grande diferencial para atender com excelência é ser percebido como empresa geradora de valor. Para isso é preciso ter um time de profissionais conectados com o mesmo propósito e alinhados às estratégias, tanto da nossa empresa como das marcas que representamos, e trabalhar com foco no desenvolvimento e sucesso do cliente.” Ainda segundo ele, como existem muitos produtos de qualidade similares, são as pessoas que devem fazer a diferença. “Devemos nos aproximar cada vez mais dos clientes ajudando a construir estratégias visando o desenvolvimento e longevidade do negócio”, reforça. 

“Temos estrutura de capacitação continuada na empresa, o que nos traz um diferencial”

Marcelo Kehl, da distribuidora PetsLife

Já Luis destaca como um desafio constante “a prospecção de novos clientes, consolidação da marca junto ao mercado, além de sempre acompanhar a evolução e especialização do mercado pet, estar à frente sempre com inovação e tecnologia, buscando tendências e lançamentos. É preciso se reinventar ano a ano, na velocidade que o mercado cresce.”

 Atender o segmento vet, muitas vezes, exige políticas específicas. Alessandro compartilha que sua empresa possui programas voltados para a classe, como aquisição de ração para alimentação do pet do veterinário, suporte na alimentação para pacientes internados, descontos em medicamentos para Hospitais sócios da ABHV e ainda um Portal específico para prescrição e a impressão de receituário na linha nutricional.

No atendimento ao setor veterinário Marcelo aponta que nada é mais eficaz do que visitar o profissional e oferecer os produtos. “Aos veterinários temos algumas vantagens pré-estabelecidas para que esses formadores de opinião possam comprar esse produto, fazer uso dele e, a partir daí, prescrever ao tutor”, diz. 

Setor veterinário

Para o atendimento ao veterinário, a PlantarVet conta com uma equipe técnica veterinária para esse cliente. “Nossa equipe está pronta para ajudar e sanar dúvidas, apresentar novos produtos e conceitos, e estar disposição do médico veterinário sempre que necessário. É um desafio ter um mailing de veterinários sempre atualizado e ativo, mantemos contato frequente, com envio de matérias, kits e amostras, para manter relacionamento e parceria sempre”, explica Luis. Além disso, Luis ressalta que a PlantarVet não atende clientes fora do CNAE veterinário, priorizando clientes especializados e devidamente regularizados. “Temos muitos clientes ainda informais, muitos aventureiros que querem investir no mercado pet, por acompanhar o crescimento do mesmo, mas sem nenhum conhecimento, e infelizmente não buscam ajuda para se regularizar e atuar de forma correta”, critica. Ainda segundo ele, o mercado veterinário é um dos que mais cresce e evolui. “Todo dia são lançados novos fármacos e drogas, com muita tecnologia. Um dos nossos diferenciais é o conhecimento, então mantemos nossa equipe de vendas e técnica em formação constante. Contamos com uma plataforma de cursos EAD, com cursos semanais, quanto a tendências, produtos e inovação”, aponta.



Por:

Samia Malas

Clique aqui e adquira já a edição 236 da Revista PetCenter/Groom Brasil e veja todas as reportagens na íntegra!