domingo, junho 23, 2024
Atualidades

Pet food: setor tem atraído novas marcas e demanda por produtos mais naturais

Foto: br.freepik

Segmento que mais fatura no mercado pet, o pet food, tem atraído muitas empresas com projetos diferenciados em alimentação animal

O pet food é um mercado gigantesco e o que possui empresas mais tradicionais atuando no mercado. Nos últimos anos, algumas tendências têm ganhado força no setor, e muitas empresas novas surgiram e entraram nesse concorrido mercado. Assim, conversamos com algumas delas. Vamos descobrir alguns dos diferenciais que elas têm trazido ao mercado pet food?

ALIMENTAÇÃO NATURAL DESCOMPLICADA

A Bezzie é um sonho antigo do atual sócio-diretor da marca, José Carlos Feijóo Falcon, que implementou a empresa de alimentação natural para pets em 2020. José Carlos e o irmão e sócio Manuel Feijóo, continuaram a tradição familiar de mais de 50 anos no setor de alimentação humana e viram a oportunidade no próspero mercado pet. Eles usam toda a expertise deles para trazer excelência aos produtos da linha Bezzie Pet Food. “Hoje podemos ofertar um produto diferenciado e já copiado pela concorrência. Nesses dois anos de existência já crescemos cerca de 30%”, aponta o sócio-diretor, que lançou primeiro linha de alimentos naturais para cães adultos, mas ainda em 2022 pretende lançar uma linha para filhotes e outra para gatos, com a mesma proposta: alimentação natural pronta que não precisa de refrigeração. “Oferecemos produtos similares aos consumidos pelos humanos, mas dirigidos aos pets, atendendo às suas particularidades e trazendo para o tutor a satisfação de saber que seu filho de quatro patas está pertencendo ao seu núcleo familiar por completo.

“Temos como diferencial a oferta de um alimento natural, saudável, com tecnologia e know how próprios”

José Carlos Feijóo Falcon, da Bezzie 

Temos como diferencial a oferta de um alimento natural, saudável, com tecnologia e know how próprios. Selecionamos os melhores fornecedores e profissionais para estarem nesta jornada conosco”, comenta.

Nesses anos que está no mercado pet food, José Carlos percebeu que no os tutores e demais avaliadores do segmento (lojistas, distribuidores, veterinários, etc.) são bastante atuantes, bem-informados e querem o que há de melhor aos pets. “A alimentação natural não é só tendência, mas também é inegavelmente, valor dentre os consumidores. Conhecer a fundo este mercado é o que trará as inspirações para novos produtos”, finaliza José Carlos.

“O maior desafio é sempre manter padrão de qualidade, inovar sempre, entregar o melhor, cuidar da saúde e alimentação dos pets, atender as demandas do consumidor e manter os custos “

Thiago Macedo, da OP Gold  

RAÇÃO DO GRUPO OPÇÃO RURAL

A OP Gold é a marca de alimentos secos para cães e gatos lançada em 2019 pelo Grupo Opção Rural, cuja matriz é em Taquarituba-SP e atua no segmento de armazenamento, beneficiamento e comercialização de grãos, criação de ovinos da raça Dorper, confinamento de bovinos e agricultura.“A OP Gold chega no mercado pet oferecendo um conceito atualizado, com alta tecnologia em nutrição, focada no bem-estar animal. Selecionamos muito bem nossos fornecedores, além de inserirmos nos nossos produtos aditivos nutricionais que proporcionam melhora da pelagem, da saúde bucal, consistência das fezes, aumento de digestibilidade, melhora da flora intestinal, entre outros”, aponta Thiago Macedo, zootecnista e diretor técnico do Grupo Opção Rural OP Gold, que está no pet food desde 2005, atuando, primeiramente, na área de formulação de ração para peixes. “Um dos fatores que me levou a ingressar de cabeça no segmento pet food foi o aumento do nível de profissionalização, que se tornou necessário devido a nova forma de se pensar tanto das empresas quanto dos consumidores. A evolução da disponibilidade de matérias-primas, ingredientes e necessidades do mercado elevou o nível trazendo uma maior necessidade de conhecimento no desenvolvimento dos produtos, associados às legislações vigentes. Na OP Gold, temos uma gama de fornecedores parceiros homologados que nos garantem um conforto muito grande em termos no fornecimento de matérias-primas seguras e com alta qualidade, isso nos ajuda muito em manter os nossos altos padrões de excelência nutricional”, compartilha o zootecnista. Ainda segundo ele, o foco da empresa é no desenvolvimento de produtos cada vez mais tecnológicos com a inclusão de ingredientes especiais que otimizam o máximo de performance em nutrição associados as necessidades de melhoria da relação homem x pet no seu convívio cotidiano, ou seja, segue a tendência da indústria pet food em utilizar ingredientes de máxima performance nutricional e aditivos tecnológicos que proporcionam melhoria no convívio homem pet, proporcionando maior bem-estar animal e qualidade nutricional, além dos fatores de convívio. “Temos na nossa linha super premium o que existe de mais moderno e tecnológico nesse sentido hoje em dia”, enfatiza. Sobre os desafios de quem atua no setor, Thiago cita o de manter o padrão de qualidade, inovar sempre, entregar o melhor, cuidar da saúde e alimentação dos pets, atender às demandas do consumidor e manter os custos.

“Também é importante mostrar ao mercado que preço é uma questão relativa nesse tipo de produto. Às vezes fala-se muito em níveis de proteína e esquecem de todo o resto. Existem fontes de proteína de alta quantidade em números e baixa qualidade em resultado. Ou seja, o segredo de um bom produto é uma junção de fatores que leva a uma formulação adequada”, finaliza.

“A tibii nasceu genuinamente preocupada com o tema da longevidade do animal de estimação, aliada à preservação do planeta, um tema latente no mundo inteiro, em todos os mercados e segmentos! A tibii puxa o vagão dessa tendência”

Mario Cleto Giugni, da tibii 

SUSTENTABILIDADE E PROPÓSITOA tibii é uma startup fundada em 2018, em Campinas-SP, pelo seu então CEO Mario Cleto Giugni, que tem uma trajetória no mercado imobiliário. “Não era do ramo pet. No entanto, mesmo que pareça clichê, sempre fui um apaixonado por animais, principalmente cachorros, que sempre estiveram presentes na minha família”, compartilha Mario, cujo ingresso no ramo pet food se deu a partir da vontade em aliar uma paixão pessoal com a possibilidade de atuar em um mercado promissor, em franca expansão, e ainda, fazer algo diferente e com propósito. “A tibii não se encaixa em nada do que já existe no mercado. Não somos simplesmente uma ração super premium por conta de nossos padrões de qualidade e níveis de garantia nutricionais. Vamos além, e, se quiserem nos classificar, podemos ser tidos como a primeira marca super premium eco do mercado, já que, além das nossas fórmulas, temos também a preocupação com as embalagens, que são mais do que recicláveis, são biodegradáveis. Temos uma preocupação genuína com o meio ambiente e com o legado que estamos deixando”, aponta Cleto, que para obter tal sustentabilidade em suas embalagens, tem parceria com a empresa Klabin. “Nossas embalagens se degradam em até 9 meses no meio ambiente. Isso é disruptivo em um mundo onde o plástico laminado, grande vilão da natureza, ainda predomina. Nossas embalagens carregam mais inovação e preocupação com a sociedade: somos a primeira empresa de ração do mundo a ter 100% das suas embalagens com inscrição em braile”, completa. Um outro diferencial da marca, segundo Cleto, é que na tibii, acredita na descomplicação da nutrição. “Seguimos dois guias internacionais de nutrição animal para embasar nossas fórmulas: o AAFCO (dos EUA) e FEDIAF (da Europa). Esses guias estabelecem que todo cão (ou gato) adulto tem as mesmas necessidades nutricionais. As exceções são para filhotes, lactantes e gestantes. Porque então criar centenas de opções de ração baseadas em raça, tipo de pelo etc., que só confundem a decisão do shopper no ponto de venda? Queremos ajudar fornecendo o que há de melhor de uma forma fácil de escolher”, aponta. Assim, na tibii, há quatro fór mulas: Cães All Breeds, para todas as raças e idades, Cães Raças Pequenas, com grão menor, dá mais conforto na mastigação de um cão mini, Cães Filhotes e Gatos All Breeds, que atende a gatos castrados e não castrados.

Muitas mudanças estruturais têm acontecido na tibii nos últimos meses.“A partir de 2021, começamos a receber investidores que têm se juntado ao time. São nomes de peso que já atuam em grandes empresas, como a Unilever, o ex-jogador de futebol Marcio Amoroso e, por último, tivemos a entrada do Marco Antônio Santa Maria como nosso Diretor Geral, que traz uma bagagem enorme do setor de pet food”, revela. “Estamos sempre pensando em melhorar o que já temos de bom, respeitando nossos valores e propósito, e temos estudado formas de deixar nossos produtos mais atrativos para o shopper e ainda mais ecológicos. Queremos tornar todo o nosso processo plastic free até o final desse ano com a inserção em nossas embalagens de uma resina derivada de plantas, que terá a função de estancar no saco de kraft a gordura naturalmente presente em nossos produtos”, antecipa Cleto.

“Hoje temos um mercado muito concorrido e cada vez mais teremos que nos moldar ao mesmo, com muitas novas marcas entrando precisamos consolidar nossos produtos junto ao consumidor e lojistas”

Luan Mengatto, da Menpet 

DO ECONÔMICOS AO SUPER PREMIUMA Menpet iniciou suas atividades em janeiro de 2014, e tem como CEO, Luan Mengatto, no ramo pet desde 2008, antes, como distribuidor de alimentos pet. “Desde que iniciamos fizemos melhorias constantes em qualidade e investimentos em novos produtos e aumento de capacidade, mas o principal motivo de crescer, são os nossos profissionais”, aponta Luan, que fabrica alimentação seca, desde linhas de produtos econômicas até as da categoria premium natural, uma das grandes tendências do setor pet food. “Com isso conseguimos atender todos os negócios e tamanhos de lojas e distribuidores. Hoje temos um mercado muito concorrido e cada vez mais teremos que nos moldar ao mesmo, com muitas novas marcas entrando precisamos consolidar nossos produtos junto ao consumidor e lojistas. Tivemos muitas particularidades desde o início da pandemia, acredito que foi uma nova reestruturação para todos os setores. Tivemos que nos atualizar”, aponta. “Estamos em um mercado que o crescimento ainda é muito interessante, cada vez mais existe uma necessidade de maior variedade de produtos com melhores índices de qualidade e aceitação de nossos pets”, finaliza.

“Temos experiência e credibilidade quando o assunto é alimentação. Somos uma empresa genuinamente brasileira e que conhece muito bem sua gente”

Fernando Manfrin, da Solito Alimentos 

SOLITO: DO ARROZ AO PET FOODOutro grupo de peso que ingressou no mercado pet food recentemente – em setembro de 2021 ¬– foi a Solito Alimentos, que atua há 60 anos no segmento de arroz e feijão para alimentação humana, além de comercializar farinha de arroz e farofas prontas. “O mercado pet é um dos que mais crescem no país, e claro que isso atrai, mas a nossa paixão e experiência em alimentar pessoas foi muito importante nesse processo. Porém, é um segmento de muita competitividade, é preciso ter uma base sólida, uma boa gestão e, principalmente, contar com pessoas com muita vontade de vencer e que amem os animais. Além de todos esses predicados, a Solito Alimentos é detentora de um dos principais e mais nobres ingredientes da nutrição pet, o arroz. Quando somamos tudo isso, percebemos que podemos ser, com muito trabalho, um player importante dentro desse segmento”, diz Fernando Manfrin, gerente comercial da Solito.Para crescer no setor pet, a empresa tem feito investimentos que vão desde a contratação de profissionais com grande experiência, embalagens inovadoras e que agridem menos o meio ambiente, até na aquisição de equipamentos de altíssima tecnologia, treinamentos constantes, comunicação, entre outros. “Queremos, realmente, ser um ótimo parceiro comercial dos nossos clientes e oferecer o melhor em nutrição para os pets”, enfatiza Fernando. A Solito entrou no pet food com alimentos secos para cães e gatos das seguintes marcas: a Nutrive (da categoria premium especial e vendida em canal especializado), Unna (da categoria premium; também vendida em canal especializado) e a Óttima (da categoria premium, mas vendida em canal de autosserviço).“Temos experiência e credibilidade quando o assunto é alimentação. Somos uma empresa genuinamente brasileira e que conhece muito bem sua gente. Agora vamos levar todo esse know-how para os pets também. Nossa gestão é baseada no alinhamento dos interesses de todos que fazem parte do processo, desde os fornecedores, passando pela nossa fábrica, representantes comerciais, clientes lojistas, os donos dos pets, e claro, os próprios pets”, finaliza Fernando que promete muitas novidades para 2022, mas que ainda estão guardadas a sete chaves pela Solito.


FORNECEDORES DA ÁREA PET FOOD
E não é somente no ramo de alimentos que a indústria pet food vem se modernizando e atraindo novos investidores e empresas. Quem atua na fabricação de equipamentos para essa indústria também precisa se atualizar para dar suporte aos empresários do pet food. A Fortec Tecnologia, de São Carlos-SP, atua no segmento de fornecimento de martelos e eixos de trituração para a indústria pet e alimentícia em geral. “Fabricamos martelos e eixos – peças de reposição para os moinhos que fazem a moagem de grãos. Então, nossos clientes dentro do mercado pet são basicamente os produtores de misturas e os fabricantes de rações animal”, explica Ana Paula Eufrade, que junto de Hugo Crnkovic, fundou a Fortec há 6 anos. Ana Paula explica que a matéria-prima da empresa (aços com qualidade certificada) e a tecnologia utilizada na aplicação do revestimento anti-desgaste (carboneto de tungstênio) fazem da Fortec uma empresa que se destaca por oferecer produtos com excelente qualidade e custo-benefício. “A tecnologia utilizada para se atingir a qualidade do revestimento utilizado em nossos martelos é única, pois foi desenvolvida por nós”, revela. Embora também tenham sofrido com os altos preços de matéria-prima durante a pandemia, a empresa experimentou alta de vendas e tem perspectiva de entrar no mercado internacional.

Ana Paula Eufrade e Hugo Crnkovic, da Fortec Tecnologia


   

Por: Samia Malas


Por Samia Malas