sábado, abril 20, 2024
Atualidades

Dando suporte à indústria pet

Foto: Phuchit/IstockPhoto

O setor de empresas fornecedoras da indústria é fundamental para permitir o crescimento e a inovação no mercado pet

Desde a fabricação de embalagens para produtos pet até os equipamentos utilizados na indústria, o segmento de empresas fornecedoras do mercado pet atua de forma direta e fundamental nos diferentes setores, especialmente no pet food. “O mercado de embalagens para indústria pet food no Brasil já foi mais atrativo. Atualmente, as margens caíram significativamente, porém, continua sendo um mercado importante devido ao seu crescimento e consequente geração de volumes relevantes”, compartilha Alex Schlickmann, Gerente Comercial de Embalagens do Grupo Copobras AS. Ainda segundo ele, o Brasil está entre os três maiores mercados do mundo, e essa posição constata seu potencial no segmento de embalagens. “Acreditamos que a força está concentrada no Sul do país, onde há uma forte cultura do segmento e muitas empresas na região”, continua. 

“No início da pandemia projetamos um cenário muito pessimista, com fábricas paradas e desemprego em massa no segmento. Felizmente, a realidade foi diferente e foi exatamente isso que ajudou muitas empresas a continuarem no mercado”

diz Alex Schlickmann, do Grupo Copobras SA

Na pandemia, houve crescimento no setor de embalagens, mesmo enfrentando dificuldades como falta de matéria-prima e de mão de obra. “No início da pandemia projetamos um cenário muito pessimista, com fábricas paradas e desemprego em massa no segmento. Felizmente, a realidade foi diferente e foi exatamente isso que ajudou muitas empresas a continuarem no mercado”, conta Alex.

Já para Luciano Manzoni, Sócio-diretor da Manzoni Industrial Ltda, empresa fornecedora de máquinas para a indústria de nutrição animal, o segmento em que atua está em forte expansão em todas as regiões do Brasil, tanto no ramo de pet food como no aquafeed. “O maior mercado consumidor ainda está nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, por este motivo a maior concentração de fábricas. Mas observamos um grande potencial nas regiões Norte e Nordeste nas quais também atuamos. Para um crescimento ainda mais acelerado do setor é preciso melhorar o poder aquisitivo da população brasileira, que é apaixonada por pet”, acrescenta Luciano. 

Particularidades

 Para Alex, no segmento de embalagens, há empresas com diferentes focos, umas focadas em itens de alto giro – a chamada de linha de combate -, outras em especialidades e outras fazendo todos os produtos. “As principais dificuldades são o alto número de itens – o que faz com que tenhamos um alto custo com cyrel – e a busca constante pela fidelização do cliente para evitar uma migração para o concorrente, o que gera um alto investimento em sua conta”, compartilha.

“O segmento de máquinas exige constante inovação tecnológica dos equipamentos possibilitando a produção de rações cada vez mais elaboradas, para um público cada vez mais exigente”

aponta Luciano Manzoni, da Manzoni Industrial Ltda

Já o segmento de máquinas para a indústria de nutrição animal, segundo Luciano, “exige constante inovação tecnológica dos equipamentos possibilitando a produção de rações cada vez mais elaboradas, para um público cada vez mais exigente, com uma grande gama de matérias-primas e buscamos sempre o menor custo operacional.”    

Perspectivas

 Apesar das margens terem experimentado queda, as expectativas são de crescimento no setor de embalagens. “O mercado seguirá em ascensão, pois cresce também a busca por animais de companhia, fator potencializado pela pandemia. Por outro lado, quando falamos de rentabilidade de negócio, percebo um contexto negativo. O que já não está muito bom deve ficar ainda pior com o ingresso de mais transformadores no segmento”, alerta Alex.

Já Luciano vê o segmento de equipamentos como um mercado extremamente promissor, com crescimento sólido ano após ano.

Entraves

Alex cita os altos reajustes em resinas nos anos de 2020 e 2021 como uma grande dificuldade. “Isso prejudicou muito o segmento, barrando até mesmo alguns investimentos. Porém, agora percebemos uma estabilidade no cenário”, compartilha. “Percebo que de uma forma geral o segmento de embalagens para pet food está em sua curva final de bons negócios com a tendência de baixa margem para os transformadores. O investimento atual é muito alto para o retorno que o segmento está gerando. Acredito que algumas mudanças devem ocorrer para que continue sendo um negócio atrativo, pois, caso contrário, não teremos novidades para o mercado porque não haverá razão para investimento nesse segmento”, antecipa Alex.

Tendência

 Alex acredita que a busca pela praticidade, através de embalagens inteligentes, fáceis de abrir, continua elevada. “Porém, o crescimento será muito lento. Embalagens inovadoras possuem custo mais elevado e, para que isso ocorra, o cliente final precisa querer um produto diferenciado e estar disposto a pagar mais por ele”, aponta.

Luciano aponta a fabricação de rações cada vez mais técnicas, elaboradas e de alto valor agregado como a tendência do momento. 


Por: Samia Malas


Clique aqui e adquira já a edição 234 da Revista PetCenter/Groom Brasil e veja todas as reportagens na íntegra!