segunda-feira, março 4, 2024
Administração

Dia produtivo, dia improdutivo

É freqüente pessoas que trabalham muito (e nos negócios pet isso é comum) terem esta sensação… Você já ouviu aquela famosa frase?: “Se quiser que algo saia em tempo, peça a alguém que nunca tem tempo, pois quem tem tempo não fará, pois é mole.”
Bem, preconceitos à parte, de fato há pessoas que são mais ágeis em agir, fazer e resolver. Existem basicamente 3 tipos de pessoas quanto às motivações de vida:

– as motivados por poder,
– as motivadas por realização
– e as motivadas por afiliação.

Estas últimas fazem as coisas pensando nos outros. Elas se sentem bem ao pensar que o que elas fazem ajudará alguma pessoa. Aquelas movidas por poder têm necessidade de influenciar outras pessoas, dar ordens, delegar funções.
O poder aqui nada tem a ver com militarismo, guerra ou ditatorialismo. São pessoas que podem ser muito eficientes no que fazem, mas preferem influenciar, motivar, do que fazerem elas próprias. Por exemplo… Dizem que Madre Tereza de Calcutá era motivada pelo poder  e não afiliativa.
Os motivados por realização são os fazedores, que atuam, agem. Isto não quer dizer que os que sabem fazer bem que tenham eficiência. Aliás, a minoria tem eficiência nos resultados. Você, leitor da Pet Center, sabe como é sua motivação?

Há testes para se saber isto. O importante é que se pode aprender técnicas que melhorem o nosso desempenho. Meu guru, Luiz Fernando Garcia, descobriu 7 pontos que levam as pessoas a não terem sucesso:

1- Comodismo
2- Medo de mudanças
3- Prepotência
4- Transferir culpa (lócus interno x externo)
5- Não conseguem planejar
6- Desperdiçam tempo
7- Trabalham sem paixão

Percebam que são características relacionadas. Quem é cômodo, desperdiça tempo, claro, especialmente se trabalha sem paixão. Pior ainda se for arrogante, isto é, diz que sabe de tudo e não precisa saber mais nada.
Isto é bem freqüente em alguns chefes! O medo de mudanças é típico da espécie humana. Todos temos 3 grandes medos: o de morrer (único comum aos animais), medo da perda do status quo  e medo de ser preterido ou humilhado. Por isto as novidades são raramente aceitas pela chefia ou empregados. Especialmente quando não existe a cultura de inovação dentro da empresa.
Todos temos um pouco de todas estas características, em algum momento da vida, do mês, da semana, ou até do dia. Estamos perdoados se assim ocorre. O problema surge quando a pessoa tem quase todas as características de forma marcante. Estes dificilmente conseguem ter a sensação feliz de, ao final do dia, terem tido um dia produtivo.
Para estes, todo dia parece ser muito produtivo ou nada produtivo, pois ele
mal tem parâmetro a comparar seus resultados. Ou se sentem muito cansados, desmotivados, ou acham que o que fizeram “já está bom demais”! Produção tem a ver com produzir, obter resultado, atingir metas.
Mas a maioria das pessoas mal sabe as metas a atingir no fim do mês, da semana, ou do dia, especialmente se a empresa não tem claramente sua missão, objetivos, visão de futuro. As pessoas não fazem seus mapas de percurso. Não falo aqui sobre a empresa apenas, mas suas metas como pessoa também. Os que têm mapas têm objetivos, metas, e quando chegam lá, especialmente no fim do dia, sentem aquele cansaço gostoso, de dever cumprido.
Os colaboradores, às vezes, não conseguem entender que os chefes (líderes?) adoram quando seus funcionários entregam um pacote maior do que foi pedido, além do que era o combinado. Isto faz um dia produtivo, e mais ainda o da empresa. A chance de uma promoção aumenta muito para funcionários que têm dias produtivos! Tente entregar um pacote maior do que foi pedido a seu chefe! Quem mais vai ganhar em ter um dia produtivo, ao final das contas é você mesmo! Pensa nisto!
 

Marco Antonio Gioso, professor da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo, presidente da Anclivepa-SP, vice-presidente da Abov – Associação Brasileira de Odontologia Veterinária e da SPMV.