Projeto da PremieRpet® aumenta chances de adoção de cães e gatos

Categoria: Negócios

Autor(a): Premier Pet | Colaborador(es): Jornalismo Top.Co. | Cidade: Campinas | 15/05/2018 - 11:39

Websérie registra a transformação realizada em abrigos. Os episódios estão disponíveis no Youtube
iStock/ suemack

iStock/ suemack

Cães e gatos têm suas vidas completamente modificadas quando são resgatados por uma ONG. Acolhidos, não precisam mais lutar por abrigo, pela comida do dia, para não serem atropelados ao cruzar a rua ou escapar de maus-tratos. Porém, mesmo dentro de extraordinárias instituições, existem dificuldades a enfrentar. Eles passam a conviver com dezenas de outros animais, muitas vezes em contato direto, muitas vezes sem local destinado para aqueles que estão em recuperação ou com alguma condição clínica especial. Os problemas são parecidos com os de uma grande família sob o mesmo teto. Por exemplo: se alguém pega uma gripe logo todos estão doentes e precisam de cuidados. Da mesma forma que um vírus, os problemas podem se multiplicar rapidamente.
 
O grande desafio dos abrigos é garantir o bem-estar dos animais e cuidar de suas necessidades individualmente, sem perder o foco no grupo como um todo. Esses espaços são projetados para acolher, cuidar e encaminhar para adoção o mais breve possível, e muitos não estão preparados para atender demandas (tanto físicas quanto comportamentais) em longas permanências. Mas a realidade do abandono crescente e as dificuldades das ONGs para manterem os abrigos tornam a rotina muitas vezes diferente do que a melhor das intenções no momento do resgate.


iStock/ Samohin
 
É comum que, com o passar do tempo e em condições adversas, a população aumente ao invés de diminuir, os animais fiquem sob o estresse do confinamento e ocorram disputas por território. As instalações e materiais já não são suficientes, faltam recursos para prover soluções e a bola de neve parece não ter fim. 

Quantas vezes nos deparamos com o desespero de pessoas que se dedicam a resgatar e cuidar de animais, mas acabam vencidas por essa realidade? Quantas ONGs pedem ajuda porque já não conseguem oferecer condições mínimas de subsistência para tantas vidas? Quantos abrigos, por falta de estrutura, preparo ou treinamento perecem por não alcançar o propósito da adoção? E, ainda, por outro lado, quantas vezes não ouvimos alguém dizer que não adota porque não sabe se o animal está bem de saúde? Quantas vezes será que um cão ou gato deixou de ser adotado porque não pode receber os cuidados de que precisa? 
 
É por esses motivos que a PremieRpet® lançou uma iniciativa para melhorar as condições dos abrigos e aumentar as chances de adoção dos animais. 

O resultado dessa iniciativa é o projeto Alimentando Sonhos, que já está beneficiando centenas de animais. O foco são ONGs que se dedicam, de forma incansável, a aprimorar os cuidados com cães e gatos. “Com esse projeto ampliamos nossa capacidade de transformação social porque proporcionamos melhorias nos abrigos, aumentando as chances de adoção.

Trabalhamos de mãos dadas com as ONGs, unindo conhecimento, especialidade e força de vontade para fazer a diferença na vida dos animais. Assim estamos mais perto de ajudar essas instituições a realizar um sonho que, no final das contas, é de todos nós: acolher, cuidar e encaminhar o máximo de cães e gatos possível para a adoção responsável”, afirma Madalena Spinazzola, diretora de planejamento estratégico e marketing corporativo da PremieRpet®. 

 
​O projeto Alimentando Sonhos é desenvolvido pelo Instituto PremieRpet®. Tudo começa com uma consultoria especializada nas ONGs participantes, com uma equipe de médicas veterinárias da PremieRpet® e apoio técnico da voluntária Stefanie Sussai, formanda em Medicina Veterinária, que adquiriu conhecimentos e vivência em Medicina Veterinária do Coletivo nas Universidades de Wisconsin e da Califórnia (EUA). 

“No caso de abrigos, a Medicina Veterinária deve mudar sua abordagem e considerar o indivíduo inserido no contexto coletivo, no ambiente de grupo. Existem diversos fatores que devem ser observados: maior possibilidade de contaminação e propagação de doenças, dificuldade de promover bem-estar físico, comportamental, além de restrições para o manejo sanitário e nutricional adequados. Levando tudo isso em conta e as particularidades de cada local, é possível identificar pontos de melhoria no alojamento e nos cuidados com os animais”, explica Keila Regina de Godoy, médica veterinária da PremieRpet®.  

A partir da avaliação especializada são tomadas medidas práticas. “Oferecemos orientações, treinamento prático para mudanças em procedimentos de rotina e até modificações físicas nas instalações”, afirma Keila. “Com as melhorias, os abrigos passam a funcionar melhor, beneficiando os animais e aumentando as chances de adoção”, destaca.


iStock/ Guven Polat
 
QUARENTENA FUNCIONAL
O projeto Alimentando Sonhos já é uma realidade na ONG Catland, que resgata cerca de 960 gatos por ano na cidade de São Paulo. Em seu abrigo vivem atualmente 150 animais, e mais 150 estão em lar temporário por falta de espaço. A consultoria realizada pela equipe de especialistas indicou que o local necessitava de um novo espaço para quarentena. 
 
“Ao visitar o abrigo da Catland e acompanhar sua rotina, percebemos que a principal fragilidade era a quarentena, onde ficam os gatos resgatados até serem castrados, vacinados, vermifugados e estarem com a saúde em dia para conviver com os demais. Era fundamental um local sem passagem e pontos de contato com os gatos saudáveis para não colocar a saúde de todos em risco. Havia muita proximidade entre os animais então, por exemplo, quando um gatinho doente espirrava os outros podiam se contaminar”, explica Keila. 
 
Por isso a empresa criou uma nova quarentena, com todos os detalhes necessários para o bem-estar dos animais. Além disso, realizou um treinamento para a equipe de voluntários da ONG, orientando as atividades na nova área. “Assim capacitamos a equipe para utilizar a quarentena, seguindo procedimentos veterinários e beneficiando a saúde dos animais”, destaca Keila. 
 
A transformação já está fazendo a diferença na rotina da ONG, como explica Perla Poltronieri, fundadora da Catland. “A mudança foi fundamental para melhorar nossa atuação. Era um espaço apertado, no fundo da sede, com chances de contaminação. O novo ambiente oferece o isolamento, segurança e conforto para os gatos resgatados. Muitas vezes eles chegam em estado crítico, necessitando atendimento veterinário, nutrição e cuidados intensivos”, conta.
 
Perla também destaca a importância da consultoria. “Recebemos o treinamento de Medicina Veterinária do Coletivo e já modificamos nosso protocolo, colocando em prática novos procedimentos e fluxos de circulação para beneficiar o cuidado dos animais. É uma mudança que realmente transforma a nossa realidade, com uma estrutura perene, que impacta diretamente no sucesso da nossa missão. É emocionante ver o quanto esse projeto beneficia a vida dos gatos!”, comemora. 


iStock/ Sladic
 
Com a saúde favorecida, o tempo de permanência dos pets nos abrigos tende a ser reduzido, aumentando suas chances de adoção e abrindo espaço para acolher outros animais em situação de abandono! É possível conferir e se emocionar com a Websérie Alimentando Sonhos, já disponível no Youtube:   
 
Episódio 1:
Alimentando Sonhos: Catland - Quarentena Funcional

Episódio 2:
Alimentando Sonhos:  Patinhas Unidas Brasil – Treinamento na Prática
 
Episódio 3:  
Segunda chance
Link:
 https://www.youtube.com/watch?v=GviCDXa6Fww

Última edição (17)

Destaques:


Consumidor busca por novidades e variedade

Software: o coração de todos os processos organizacionais

Esperança de tratamento renovada

2018 Está sendo otimista para o setor de saúde animal

Modeladores de tosa



Saiba mais ›

EnqueteEnquetes anteriores

Qual o principal erro cometido pelos lojistas ao expor produtos?








Participando da nossa enquente você concorrerá a prêmios

Coloca-los nas gôndolas sem qualquer critério

Não torna-los acessíveis para os consumidores

Expor de forma que prejudique sua visualização

Disponibilizar mais os produtos que têm pouco giro

PUBLICIDADE